terça-feira, 31 de julho de 2007

O coração também tem linguagem: várias sístoles, outras tantas diástoles e, talvez, alguma fibrilhação ventricular e uma ou outra paragem cardiorrespiratória. Uma carta de amor é o mais parecido que se consegue com a tradução literária de um electrocardiograma.