terça-feira, 31 de julho de 2007

Por falar em Hitchcock, lembro-me bem do dia em que acabei de sacar - sim, sacar - Vertigo de um desses programas de downloads ilegais. Qualidade irrepreensível, daquelas que saem tão direitinhas no DVD-R como os cagalhões dos macrobióticos entram nas suas retretes. Embevecida pelo Technicolor, acabei por me lembrar de que Hitchcock realizou o primeiro filme sonoro do Reino Unido. Não estava, portanto, e com alguma certeza, perante um filme mudo. Liguei as colunas e quase morri - nem sei por que razão Deus não me concedeu a graça de morrer, uma vez que os segundos seguintes seriam dolorosíssimos para mim; e daí talvez fosse porque, nessa altura, eu era ateia. As personagens falavam espanhol. Um espanhol perfeito, em perfeita sincronia com os movimentos dos lábios dos actores. Mas era espanhol, espanhol, espanhol, espanhol, espanhol... não, Saramago não sabe.