quarta-feira, 1 de agosto de 2007

Pensando bem, a razão pela qual não gosto da morte é muito simples de entender: na sua aparência terrena, a morte é definitiva e eu tenho horror ao definitivo. Quero mudança, nem que seja para pior, porque isto de viver todos os dias pode tornar-se muito chato.