segunda-feira, 28 de abril de 2008

Tenho 106 e-mails pessoais para ler e já arrumei os importantes. Comprei uma escova de dentes que cheira a Gorila de mentol e, aparentemente, o café já não me faz mal. Não dou esmolas. Alguns dos e-mails que recebo são de um bar de putas na Póvoa de Varzim. Não gosto do layout do meu blogue. Não tenho tempo para os meus amigos. Dei cabo de um frasco de manteiga de amendoim no domingo, com mini-tostas de acepipes. Apetece-me comida indiana. Ou um Toffee Crisp. Ofereceram-me o novo CD do Fausto e fiquei muito contente. Tenho vários abraços e um presente de aniversário para dar (se bem que nos abraços nunca sei se, ao dar, não sou eu que recebo mais). Devo telefonemas, organizações de programas, dedos de conversa. Não tenho lá muito dinheiro. Encontrei uma loja que vende uma Nikon F, sim, daquelas de 1959 - estava fechada, vou lá amanhã. Estive quase para comprar, na Feira da Ladra, uma câmara Super8, com gravação sonora!, mas depois reconsiderei. Como disse, não tenho lá muito dinheiro. Tirei a guitarra do armário e, apesar de ainda não tocar nada, sei que está muito desafinada. Não me apetece trabalhar. Preciso de ler uma boa biografia. Se pudesse, reconsiderava todos os passos da minha vida. Mas, como ouvi dizer uma vez o Joaquim de Almeida, o arrependimento é uma perda de tempo. Não sou feliz, mas gosto de utopias. De vez em quando, com Bossa Nova e ginger ale a acompanhar.