terça-feira, 30 de setembro de 2008

A única diferença entre os deuses e os homens é que os homens ainda não sabem que estão mortos.

Somos deuses quando a nossa razão de viver é sermos a razão de viver de outra(s) pessoa(s).

Querer morrer não é radicalmente diferente de querer viver. A morte acaba por ser o projecto mais longínquo que abraçamos em vida.

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Agradeço às 60 pessoas que visitam este blogue todos os dias por insistirem e peço-lhes desculpa por ter andado sem tempo e sem paciência para isto. O trabalho prende, e prende, e prende, e prende, e dificilmente liberta; enfim, há dias em que liberta, mas sobre isso já escrevi. Tenho sorte por ter trabalho - não é emprego, é trabalho e é muito -, mas o blogue não anda com sorte nenhuma. Se calhar estou enganada e saiu-lhe a sorte grande. Para escrever merda, prefiro não escrever. Aliás, vou-me já calar.

terça-feira, 23 de setembro de 2008

Já repararam que o Camões era um ninfomaníaco?

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

Crer para ver

Digam o que disserem sobre a necessidade inequívoca do método experimental e tralalá rebeubéu pardais ao ninho, a verdade é que tudo começa por crer. Creio que vejo para ver e creio bem que esta ordem, ainda que logicamente inaceitável, é que é inequívoca. Sei porque experimentei. E sei porque creio. E creio porque é a única maneira de não admitir que, desde que cheguei, ainda não disse nada que não fosse um lugar comum.

A maior máquina da Terra não era a própria Terra?















Mais um imprescindível:

«O Grande Colisionador de Hadrões (LHC, em inglês), que começou a funcionar na quarta-feira em Genebra, pode responder ao sonho de Higgs de ver confirmada a sua teoria sobre a existência da partícula com o seu nome, o bosão de Higgs. A sua existência é prognosticada pelo modelo-padrão da Física de Partículas actual, ainda que não tenha sido possível até agora demonstrá-lo experimentalmente.

Se for provada definitivamente a teoria de Higgs e se a partícula sub-atómica com o seu nome for encontrada, este físico de 79 anos será encaminhado definitivamente para o prémio Nobel da Física, distinção a que aspira também o seu rival Stephen Hawking, que em certa ocasião apostou 100 dólares em como o bosão de Higgs não existe.»

[Se fosse eu a escrever, subatómica não levava hífen.]

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Entusiasmo em quarto crescente

Eram tão pobres tão pobres que lhes chamavam as parcas do Nilo.

Popularidade

Os índices de popularidade de certos blogues no Technorati sempre constituíram para mim motivo de espécie. Ou seja, faziam-me espéce. Não entendia, apesar de consultar várias vezes a FAQ, os critérios de popularização de um blogue naquele motor de busca. E sempre foi um mistério para mim como o meu pôde, durante tanto tempo, manter-se no valor 50, que é bem aceitável para um blogue rude, pouco actualizado e, mais cruel ainda, pretensamente wittgensteiniano, que de wittgensteiniano não tem nada. Hoje, assim de repente, percebi a razão (não a Razão em sentido iluminado, só uma razãozinha, que as revoluções francesas só se fazem de mil e setecentos em mil e setecentos anos): os bloggers que praticam o autolinque em abundância são mais populares porque usam os seus pontos de popularidade para se popularizarem a si próprios. É uma descoberta maravilhosa - todos temos direito ao nosso acelerador de partículas - e, tenho impressão disso, nem quem faz uso dela deve ainda ter-se dado conta daquilo que tem entre mãos. Como diz o invejoso, assim também eu.

segunda-feira, 8 de setembro de 2008

O meu colega descobriu que o Chrome, o novo browser da Google, não suporta a Google Toolbar. Eu já tinha reparado que o programa não faz coisas tão básicas como organizar os favoritos por ordem alfabética. Tem, no entanto, duas vantagens: é bastante rápido e muito bonito. Enfim, um coelho-homem.

terça-feira, 2 de setembro de 2008

O filho da puta

tinha amor para dar e vender. Infelizmente, não herdara da mãe o jeito para o negócio.