quinta-feira, 5 de maio de 2011

Escreve-se de encomenda ou o meu memorando de entendimento

Blogger ambiciosa, de escrita limpa e espírito medíocre, oferece-se para postar de encomenda, com temática escolhida à vontade do freguês. É uma espécie de prostituição, infelizmente não de Mensa, que o meu Q.I. não é assim tão sensual. Os pedidos devem ser feitos na caixa de  comentários deste post ou, se forem demasiado ousados, remetidos para filigraana@gmail.com

O serviço é de borla, mas, se quiser retribuir, abrirei uma conta cujos depósitos reverterão a favor de uma causa maior: eu, isto é, a designar.

Nota: É tudo a sério menos a possibilidade de ser paga por obter, gratuitamente, inspiração. Peço às três pessoas que me lêem que me mandem escrever o que lhes apetecer.

3 comentários:

Charlotte disse...

Ilustre cronista,

Venho por este meio encomendar um poema com:

500 gramas de amante (bom de cama. pode ser japonês e bem avantajado - física, intelectualmente, e por aí...)
750 de bom emprego
1 colher de sopa de felicidade
1 pitada de amargura (para equilibrar felicidade)
Imaginação q.b.

Atenciosamente,

Lexita

Filigraana disse...

Canja, Lexita. It had to be you...

Vou retirar a amargura, porque não equilibra nada, não serve para nada. A felicidade equilibra-se por si só. Não precisamos de nos amargurar: a vida encarrega-se de se nos dificultar.

M (^_*) disse...

Como muitos,este JOGO é interessante. Sem medidas nem ingredientes aqui fica um dos temas
Se por um outro motivo houver IMPOSSIBILIDADE esta é a segunda das minha sugestões Mas não lhe dou carte blanche. É da IMPOSSIBLIDADE DO SER que falo e como não foi por acaso que escolhi estas palavras, sujeitas a interpretações diferentes, tome a liberdade de escolher aquela lhe melhor aprouver.
É com INOCIENCIA e sorridente que me deixo apanhar nesta armadilha. Terceira e por hoje ultima sugestão