terça-feira, 21 de junho de 2011

Ficções

A única morte que tenho mais presente do que a minha, do que a nossa, é a do dinheiro: já está gasto quando o ganho e, mesmo quando o tenho, é breve. Não passa de uma ficção.

0 comentários: