quinta-feira, 23 de junho de 2011

Masoquismo

Uma coisa que continuará sempre a intrigar-me é a razão pela qual as pessoas perdem tempo com aquilo de que não gostam, a menos, é claro, que tirem disso algum benefício. Por exemplo, todos os dias me apetece mandar calar imbecis com voz pública e, em nome da liberdade (a minha, pensando a médio prazo, e a deles), não o faço. Porque eu posso desligar a televisão quando um imbecil aparece, posso não ler o artigo de jornal, não visitar o blogue ou a casa de um imbecil. Posso dizer a um imbecil: "discordo de si" ou "o senhor está convencido de que é muito bom, mas eu não acho"; no entanto, não o procuro para lhe dizer isso, porque a vida já é escandalosamente curta para o prazer, quanto mais para o dissabor. A voz pública de um imbecil nunca limitou a minha liberdade. Limitou, isso sim, a minha paciência, insultou a minha inteligência (por limitada que seja). Mandar calar, mandar mudar certos imbecis com voz pública é uma imbecilidade. Porque eles só nos invadem, só nos fazem perder tempo se deixarmos. Masoquismo não, obrigada. Para isso, basta a morte. Sempre tão perto, sempre tão longe.

0 comentários: