quarta-feira, 13 de julho de 2011

Auto-hetero-retrato

«Entretanto, eu tinha ainda a estranha sensação de ser uma pessoa fora do comum, que de alguma forma ficara para trás e cujos sofrimentos ninguém conhecia, compreendia ou partilhava. É o que a melancolia tem de demoníaco, o facto de tornar a pessoa não só doente, como também pretensiosa e de vistas curtas, quase arrogante. A pessoa julga-se o Atlas de mau gosto de Heine que carrega sobre os ombros todos os sofrimentos e enigmas do mundo, como se mil outros não suportassem também os mesmos sofrimentos e errassem no mesmo labirinto.»

Peter Camenzind, Herman Hesse, 1953 (tradução de Isabel de Almeida e Sousa para a Dom Quixote, 1992)

0 comentários: